Empresas devem aumentar a preocupação e investimentos em segurança digital

Mesmo que o investimento em segurança digital feito pelas empresas brasileiras tenha aumentado nos últimos anos, este ainda não foi o suficiente para impedir os ataques virtuais. De acordo com pesquisas da consultoria de risco Kroll, 85% das empresas afirmam terem sofrido ataque cibernético, roubo, perda ou ataque envolvendo seus dados durante o ano de 2016. Este tipo de crime cresceu tanto recentemente que já ocupa o segundo lugar na lista das principais criminalidades no mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas. Diante de tantos ataques, a segurança digital se tornou uma das maiores preocupações, especialmente quando abrange o roubo de dados digitais. Assim, essas companhias precisam investir cada vez mais em tecnologias que as protejam de hackers, visto que o prejuízo financeiro pós-invasão pode ser milionário, isto é, muitas vezes maior que os investimentos em segurança.

Um dos pilares da segurança em uma organização é a comunicação. Em empresas que não possuem alinhamento de todas as áreas, as brechas de segurança são mais frequentes e os sistemas e soluções de TI são acessados sem a devida aprovação. Já nos casos em que existe um bom sistema de intercomunicação, as companhias conseguem se defender mais efetivamente de ataques virtuais, pois conseguirá identificar possíveis brechas, planejar soluções e implantar mecanismos de proteção.

Segundo a consultoria Gartner, as empresas precisam se preparar para uma complexidade e conectividade cada vez maior e também identificar exatamente quais áreas precisarão de maior atenção para enfrentar desafios múltiplos e crescentes na área de segurança. Porém, muitas organizações ainda não despertaram para essa necessidade e outras possuem apenas os níveis mínimos ou básicos de segurança. Mas como fazer os gestores entenderem a importância e urgência de se investir em segurança digital? Possivelmente, a melhor opção é vincular as possíveis falhas na segurança ao impacto direto que elas terão nos negócios, expondo o risco de exposição da marca ou de uma perda financeira. Esse são dados com que os empresários estão acostumados a lidar.

Com o aumento da quantidade e proporções dos ataques cibernéticos, as empresas começam a buscar mais proteção, mas esquecem que a maioria das invasões ocorrem, pois, os hackers exploram as vulnerabilidades conhecidas. Assim, antes de mais nada, as empresas devem acabar com as suscetibilidades existentes e então investir ainda mais em segurança e concentrar o seu foco na prevenção de falhas de segurança que colocarão toda a empresa em risco, além de outras penas. Na União Europeia, por exemplo, em 2018 entrará em vigor o General Data Protection Regulation, que prevê altas multas para organizações que tenham reclamação de que não foram cuidadosas na proteção de dados. o que aumenta a urgência de que os gestores entendam finalmente que não há mais como deixar de lado essas questões essenciais para seus negócios.

De acordo com o Relatório Anual de Cibersegurança, grande parte das empresas focam suas ações na compra de produtos.  De acordo com o estudo, 65% dos 3 mil CSOs (Chief Security Officers) e líderes de operação de empresas de 13 países, utilizam de 6 a 50 produtos e serviços de segurança, sendo que muitas vezes não atuam de forma integrada com possibilidades de troca de informações, perdendo consideravelmente a eficiência para barrar invasões. E é nessa falha que a Olitel em parceria com a Fortinet, empresa fornecedora de produtos e serviços de cibersegurança, como firewalls, antivírus, prevenção de intrusão e segurança de dispositivos de usuários, pode auxiliar os seus clientes, oferecendo uma solução de segurança digital integrada e completa para as empresas. Não perca tempo, entre em contato conosco e mantenha os dados da sua empresa a salvo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*